14.5.08

183

Quem sou eu pra você?
Quem és tu para mim?
Eu sou o teu novo começo,
Tu és meu último fim.

5.5.08

182

Por verdade ou vaidade?
Sem resposta, guardo caneta e alarde.
Sem coragem, lanço-me aos pés do covarde
Que habita em meu corpo morto de saudade.

181

Diante do espelho a constatação: eu não valho muito a pena não.